22 Filmes para ver e nunca mais falar que cinema nacional não presta.

Quantas vezes você já escutou alguém falando “cinema nacional não presta”. Eu sempre escuto, e na maioria das vezes quem fala não conhece um terço dos filmes que são bons.

Tendo em vista isso, resolvi quebrar o tabu de que o Brasil não sabe fazer cinema e apresentar alguns filmes ótimos – que nem todo mundo conhece. Isso não significa que estou desmerecendo, excluindo, menosprezando os conhecidos. Sei muito bem que “Cidade de Deus”, “Central do Brasil”, “Carandiru”, “O Auto da Compadecida”, “Meu nome não é Johnny”, “2 Coelhos”, “Meu tio matou um cara”, “Hoje eu quero voltar sozinho” e “Tropa de Elite” são super consagrados, merecidamente. Sei também que muitos outros filmes nacionais foram aclamados no decorrer das décadas.

Mas isso não vem ao caso, o interessante mesmo é apresentar a variedade de gêneros e a qualidade absurda das produções que citarei. Confira uma lista de filmes brasileiros para todos os gostos, e apresente para aquele amigo que diz que cinema nacional não presta. 


1. Limite (1931) Mário Peixoto

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_1

Clássico do cinema nacional. Um tema, uma situação e três histórias. O tema, a ânsia do homem pelo infinito, seu clamor e sua derrota. A situação, um barco perdido no oceano com três náufragos – um homem e duas mulheres. As três histórias são aquelas que os personagens mutuamente se contam. Na situação se esboça o tema que as três histórias desenvolvem. A tragédia cósmica se passa no barco. E para ele convergem as histórias.

2. Os Cafajestes (1962) Ruy Guerra

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_2

Teve participação no roteiro de Miguel Torres. Foi o primeiro filme dirigido por Ruy Guerra no Brasil. Esse filme foi o primeiro a ter nudez frontal no cinema nacional mas sua importância histórica é muito maior do que isso. Um jovem rico, muito mimado, ao ver seu pai indo à falência, organiza um plano para reverter a situação. Ele consegue um cúmplice para armar um flagrante do tio rico com uma mulher. O objetivo era tirar fotos e tentar ganhar dinheiro através de uma chantagem.

3. O Assalto ao Trem Pagador (1962) Roberto Farias

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_3

Baseado num caso real ocorrido no Rio de Janeiro em 1960, quando um bando atacou e assaltou o trem pagador da Central do Brasil. Armados, seis assaltantes levaram 27 milhões de cruzeiros e mataram um homem. O caso só foi encerrado um ano depois, com a prisão dos culpados.

4. Noite Vazia (1964) Walter Hugo Khouri

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_4

O rico empresário, Luizinho, e seu amigo Nelson, ao fazerem incursões pela noite paulistana em busca de sexo e diversão que preencham o vazio de suas vidas, numa dessas noitadas, a dupla encontra, em uma casa noturna, duas prostitutas de luxo, Mara e Regina. Luizinho convida o grupo para ir ao seu apartamento. Lá, os quatro entregam-se aos prazeres do sexo e suas infinitas variações. Mara e Nelson formam um casal silencioso e triste que se vê obrigado a se confrontar com o agitado empresário. Mara, na realidade, é uma jovem amadurecida, mas egoísta e amarga, que só pensa em dinheiro. Finalmente, após uma noite repleta de luxúria, o que seria também uma noite de prazer, acaba se transformado em um embate entre os quatro, revelando pouco a pouco seus ressentimentos e aflorando seus sentimentos mais íntimos e profundosos, onde os casais que terminam envoltos em tédios e angústias. O longa concorreu à Palma de Ouro do Festival de Cannes, na França, em 1965.

5. Terra em Transe (1967) Glauber Rocha

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_5

O senador Porfírio Diaz (Paulo Autran) detesta seu povo e pretende tornar-se imperador de Eldorado, um país localizado na América do Sul. Porém existem diversos homens que querem este poder, que resolvem enfrentá-lo. Além da forte e corajosa crítica política, Glauber Rocha ainda demostra um apelo estético invejável, criando uma obra que se tornou clássico do cinema nacional.

Menções honrosas: vale conferir Deus e o Diabo na Terra do Sol e O Leão de Sete Cabeças, do mesmo diretor.

6. O Bandido da Luz Vermelha (1968) Rogério Sganzerla

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_6

Baseado na história real do marginal paulista chamado João Acácio Pereira, mais conhecido como Bandido da Luz Vermelha, coloca a população em polvorosa e desafia a polícia ao cometer os crimes mais requintados – de estupro a assassinatos. Ele conhece a provocante Janete Jane, famosa em toda a Boca do Lixo, por quem se apaixona.

7. Bicho de Sete Cabeças (2001) Laís Bodanzky

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_7

Seu Wilson (Othon Bastos) e seu filho Neto (Rodrigo Santoro) possuem um relacionamento difícil, com um vazio entre eles aumentando cada vez mais. Seu Wilson despreza o mundo de Neto e este não suporta a presença do pai. A situação entre os dois atinge seu limite e Neto é enviado para um manicômio, onde terá que suportar as agruras de um sistema que lentamente devora suas presas.

8. Lavoura Arcaica (2001) Luiz Fernando Carvalho

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_8

Um dos grandes filmes nacionais, cheio de poesia visual. Selton Mello em mais uma grande atuação ao lado de Leonardo Medeiros e o do brilhante, já falecido, Raul Cortez. Repleto de diálogos longos e poéticos, com uma fotografia linda graças a Walter Carvalho (o mesmo de Central do Brasil). Nem tão fácil de ser compreendido, a proposta é exatamente essa de instigar o espectador a decifrar e juntar as peças. André (Selton Mello) é um filho desgarrado, que saiu de casa devido à severa lei paterna e o sufocamento da ternura materna. Pedro (Leonardo Medeiros), seu irmão mais velho, traz ele de volta ao lar a pedido da mãe. André aceita retornar, mas irá irromper os alicerces da família ao se apaixonar por sua bela irmã Ana.

9. Madame Satã (2002) Karim Aïnouz

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_9

Forte e cru, essa obra se apresenta como um retrato de uma sociedade excluída e marginalizada. Onde drogas, violência e prostituição fazem parte do cenário e se misturam com o cotidiano dos personagens. Somos conduzidos por um Rio de Janeiro que vai além dos cartões postais, porém verdadeiro em todos os aspectos. O filme é baseado na história de João Francisco dos Santos, figura conhecida na cultura marginal brasileira do século XX. A obra faz um recorte da vida de João Francisco, traça sua história antes de se tornar “Madame satã”, personagem popular dos carnavais cariocas.

10. Amarelo Manga (2003) Cláudio Assis

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_10

O diretor Cláudio Assis brinca com elementos de maneira crua e suja, sem máscaras. Os atores, assim como seus personagens, estão despidos de qualquer censura. No subúrbio de Recife, Lígia (Leona Cavalli) acorda já mal humorada, pois terá de suportar mais um dia servindo fregueses, que às vezes a bolinam no bar onde trabalha. Paralelamente Kika (Dira Paes), que é muito religiosa, está frequentando um culto enquanto seu marido, Wellington (Chico Diaz), um cortador de carne, decanta as virtudes da sua mulher enquanto usa uma machadinha para fazer seu serviço. Neste instante no Hotel Texas, que também fica na periferia da cidade, Dunga (Matheus Nachtergaele), um gay que é apaixonado por Wellington, varre o chão antes de começar a fazer a comida. Um hóspede do Hotel Texas, Isaac (Jonas Bloch), sente um grande prazer em atirar em cadáveres, que lhe são fornecidos por Rabecão, um funcionário do I.M.L. Não recomendado para os que se impressionam fácil. Um filme nacional que quebra tabus e desconstrói imagens.

11. O Homem que Copiava (2003) Jorge Furtado

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_11

André (Lázaro Ramos) é um jovem de 20 anos que trabalha na fotocopiadora da papelaria Gomide, localizada em Porto Alegre. André mora com a mãe e tem uma vida comum, basicamente vivendo de casa para o trabalho e realizando sempre as mesmas atividades. Num dia André se apaixona por Sílvia (Leandra Leal), uma vizinha, a qual passa a observar com os binóculos em seu quarto. Decidido a conhecê-la melhor, André descobre que ela trabalha em uma loja de roupas e, para conseguir uma aproximação, tenta de todas as formas conseguir 38 reais para comprar um suposto presente para sua mãe.

12. Nina (2004) Heitor Dhalia

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_12

Nina (Guta Stresser) é uma jovem de sensibilidade agudíssima e mente fragilizada, que procura meios de sobrevivência numa metrópole desumana. A proprietária do apartamento onde mora, Dona Eulália (Myriam Muniz), uma velha mesquinha e exploradora, parece ter prazer em esmagar a vontade da sua inquilina exaurida. Em meio aos desenhos que faz em toda a parte e vivendo a agitada cena eletrônica de São Paulo, Nina mergulha nos fantasmas de seu inconsciente até acabar envolvida em um crime. Suas atormentações ganham um toque psicológico característico de Crime e Castigo, livro do Dostoiévski. Em meio a festas eletrônicas Nina vive um mundo introspectivo, dentro de imaginações ilustradas nos desenhos que ela cria.

13. O Cheiro do Ralo (2006) Heitor Dhalia

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_13

Lourenço (Selton Mello) é o dono de uma loja que compra objetos usados. Aos poucos ele desenvolve um jogo com seus clientes, trocando a frieza pelo prazer que sente ao explorá-los, já que sempre estão em sérias dificuldades financeiras. Ao mesmo tempo Lourenço passa a ver as pessoas como se estivessem à venda, identificando-as através de uma característica ou um objeto que lhe é oferecido. Incomodado com o permanente e fedorento cheiro do ralo que existe em sua loja, Lourenço vê seu mundo ruir quando é obrigado a se relacionar com uma das pessoas que julgava controlar.

14. Estômago (2007) Marcos Jorge

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_14

Trilha simples e bem executada, fotografia e enredo que chamam atenção. Um filme nacional que cativa por sua simplicidade, incluindo o charme do personagem principal. Raimundo Nonato (João Miguel) foi para a cidade grande na esperança de ter uma vida melhor. Contratado como faxineiro em um bar, logo ele descobre que possui um talento nato para a cozinha. Com suas coxinhas Raimundo transforma o bar num sucesso. Giovanni (Carlo Briani), o dono de um conhecido restaurante italiano da região, o contrata como assistente de cozinheiro. A cozinha italiana é uma grande descoberta para Raimundo, que passa também a ter uma casa, roupas melhores, relacionamentos sociais e um amor: a prostituta Iria (Fabiula Nascimento).

15. Linha de Passe (2008)
Walter Salles e Daniela Thomas

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_15

São Paulo. Reginaldo (Kaique de Jesus Santos) é um jovem que procura seu pai obsessivamente. Dario (Vinícius de Oliveira) sonha em se tornar jogador de futebol mas, aos 18 anos, vê a idéia cada vez mais distante. Dinho (José Geraldo Rodrigues) dedica-se à religião. Dênis (João Baldasserini) enfrenta dificuldades em se manter, sendo também pai involuntário de um menino. Os quatro são irmãos, tendo sido criados por Cleuza (Sandra Corveloni), sua mãe, que trabalha como empregada doméstica e está mais uma vez grávida, de pai desconhecido. Eles precisam lidar com as transformações religiosas pelas quais o Brasil passa, assim como a inserção no meio do futebol e a ausência de uma figura paterna.

16. Nome Próprio (2008) Murilo Salles

Camila (Leandra Leal) tem a escrita como sua grande paixão. Intensa e corajosa, ela busca criar para si uma existência complexa o suficiente para que possa escrever sobre ela. Ela escreve compulsivamente em um blog, só que isto faz com que também fique isolada.

17. A Festa da Menina Morta (2009) Matheus Nachtergaele

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_17

Há 20 anos uma pequena população ribeirinha do alto Amazonas comemora a Festa da Menina Morta. O evento celebra o milagre realizado por Santinho, que após o suicídio da mãe recebeu em suas mãos, da boca de um cachorro, os trapos do vestido de uma menina desaparecida. A menina jamais foi encontrada, mas o tecido rasgado e manchado de sangue passa a ser adorado e considerado sagrado. A festa cresceu indiferente à dor do irmão da menina morta, Tadeu. A cada ano as pessoas visitam o local para rezar, pedir e aguardar as “revelações” da menina, que através de Santinho se manifestam no ápice da cerimônia. A Festa da Menina Morta é o primeiro longa-metragem dirigido pelo ator Matheus Nachtergaele. As filmagens aconteceram no município de Barcelos, no estado do Amazonas.

18. Reis e Ratos (2010) Mauro Lima

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_18

Passada em 1963 no Rio de Janeiro, a história é contada por meio dos diferentes pontos de vista de cada personagem, quando um clima de conspiração afeta várias pessoas relacionadas, de alguma maneira, com o cenário político da época. Entre elas está o agente da CIA chamado Troy, que vive no Brasil e passa a duvidar de sua fidelidade com sua terra natal, depois de experimentar as coisas boas de nossa terra e se casar com uma brasileira. Em parceria com o Major brasileiro Esdras, ele planeja uma armadilha para o presidente que pode atrapalhar os planos do Golpe Militar.

19. Teus olhos meus (2011) Caio Sóh

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_19

Gil é um jovem de 20 anos, órfão, criado pelos tios. Seu estilo de vida gera uma guerra familiar, fazendo com que Gil vá embora de casa, deixando não somente todos os seus pertences como sua segurança e o único amor zeloso que tivera até então. Com o violão nas costas, sem rumo, dinheiro ou retaguarda de amigos, Gil conhece Otávio, um produtor musical que mudará seu destino para sempre.

20. Tatuagem (2013) Hilton Lacerda

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_20

Recife, 1978. Clécio Wanderley (Irandhir Santos) é o líder da trupe teatral Chão de Estrelas, que realiza shows repletos de deboche e com cenas de nudez. A principal estrela da equipe é Paulete (Rodrigo Garcia), com quem Clécio mantém um relacionamento. Um dia, Paulete recebe a visita de seu cunhado, o jovem Fininha (Jesuíta Barbosa), que é militar. Encantado com o universo criado pelo Chão de Estrelas, ele logo é seduzido por Clécio. Não demora muito para que eles engatem um tórrido relacionamento, que o coloca em uma situação dúbia: ao mesmo tempo em que convive cada vez mais com os integrantes da trupe, ele precisa lidar com a repressão existente no meio militar em plena ditadura.

21. O Lobo Atrás da Porta (2013) Fernando Coimbra

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_21

O Lobo Atrás da Porta é um longa-metragem nacional inspirado no caso policial “A fera da Penha”. Numa delegacia, um homem (Milhem Cortaz), sua mulher (Fabíula Nascimento) e a amante dele (Leandra Leal) são interrogados. Arrancados pacientemente pelo detetive (Juliano Cazarré), um após o outro, seus depoimentos vão tecendo uma trama de amor passional, obsessão e mentiras que levará a um final completamente inesperado.

22. Elena (2013) Petra Costa

22-filmes-para-ver-e-nunca-mais-falar-que-cinema-nacional-nao-presta_22

Elena viaja para Nova York com o mesmo sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para trás uma infância passada na clandestinidade dos anos de ditadura militar. Deixa Petra, a irmã de sete anos. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas. Filmes caseiros, recortes de jornal, um diário. Cartas. A todo momento Petra espera encontrar Elena caminhando pelas ruas com uma blusa de seda. Pega o trem que Elena pegou, bate na porta de seus amigos, percorre seus caminhos. E acaba descobrindo Elena em um lugar inesperado.

Menções rápidas: Durval Discos, Como Esquecer e Os Famosos e os Duendes da Morte. Não os inclui nessa lista para citar em outras, mas não custa indicar.

Adendo: no Youtube, existe uma variedade imensa de filmes nacionais para assistir. Inclusive a maioria que listei está por lá!


O Brasil tem diversas outras produções maravilhosas, pena que o espaço é curto para citar. Se depois de todas essas opções você continuar “odiando” cinema nacional, segue em frente que outras listas estão por vir. Deixe sua sugestão de filme nacional nos comentários e compartilhe essa lista toda vez que alguém te falar que filme brasileiro é ruim.

por proibidoler.com

Anúncios

360 comentários sobre “22 Filmes para ver e nunca mais falar que cinema nacional não presta.

    • Dos fimes citados na lista um que realmente me marcou foi Bicho de sete cabeças, passei a admirar ainda mais o Santoro. Senti falta de alguns filmes já citados nos comentários e indico mais 2 que acabo de me lembrar: Memórias Póstumas de Brás Cubas e Tapete Vermelho.

    • aí tem só 5 que eu ví e são realmente ótimos, mas tenho alguns a citar que não ví na lista: carandiru (conta como brasileiro apesar do diretor esrangeiro), cidade de deus, tapete vermelho (com nachtergaele e gorete milagres), dois coelhos, sem fio (tristan aronovich), ensaio sobre o amor (thiago barreto), meu tio matou um cara, meu nome não é jhonny, alguém qualquer (tristan aronovich), assalto ao banco central, entre outros, principalmente após 1998, antes disto, desculpem, era foda, e entre 1970 e 1998 os trapalhões levaram o cinema nacional nas costas, exceto por alguns poucos, incluindo alguns da lista, que não vi mas vou ter o prazer de ver. Já na nova era onde as produtoras e cineastas brasileiros entenderam que cinema é entretenimento, tem alguns com este intuito, principalmente comédias, que vale a pena: o homem que desafiou o diabo, lisbela e o prisioneiro, o auto da compadecida, até que a sorte nos separe (os 3), vai que dá certo, muita calma nessa hora, entre outros.

      Por favor, chega desse papo de filme brasileiro era chato porque tinha conteúdo, filme cabeça, etc, filme cabeça é o caralho, filme tem que divertir quem o assiste, seja com conteúdo complicado ou não, o essencial é divertir, fazer rir se for comédia, fazer chorar se for drama, assustar se for terror ou suspense, enfim, divertir o público, que é o maior interessado, e quem pode fazer de um filme um sucesso ou fracasso.

      Sou cineasta e não coloquei meu longa na lista de bons filmes, mas quem quiser conhecer fique a vontade:
      http://www.facebook.com/caminhosemvolta

      está disponível para download, basta falar comigo, abraço.

  1. Este foi pra mim uma referencia em cinema nacional:
    Pixote, a lei do mais fraco é um filme brasileiro de 1980,1 do gênero drama, dirigido por Hector Babenco.
    Diversos críticos estrangeiros elegeram Pixote como um dos dez melhores filmes do ano.
    Sem esquecer também de Carandiru e Cidade de Deus!!

    • respeito a opinião de vcs….não curto muito as coisas estrangeiras…mas os filmes nacionais – a exemplo da lista acima – são horríveis…histórias e enredos confusos…cenas longas…áudio e câmeras (ângulos/tomadas) de amadores…não duvido que o Brasil tem grande potencial…mas os autores e diretores brasileiros tem que crescer…perdão, pois é apenas a minha opinião e essa vale só para mim, mas os filmes citados do cinema brasileiro corrobora quão ruins são os nossos filmes….abraço.

      • Que gosto restrito… Me passe o título de alguns filmes que tu considera bons, por favor! 🙂 abraços

      • Concordo plenamente com vc Roberto. O cinema nacional ainda está engatinhando. Com excessão de alguns atores, como Selton Melo, Matheus Nachtergaele, o resto ainda é muito amadoristico. O fato de uma obra participar de algum festival, nacional ou internacional, não faz da mesma uma boa obra. A exemplo do longa PRAIA DO FUTURO apresentado aqui na Berlinale, e candidato a melhor filme estranjeiro. Um horror. Em todos os sentidos mal trabalhado, da fotografia, iluminação, diálogos, desenvolvimento do enredo até mesmo a atuação do Wagner Moura. Acho sim que no Brasil temos cabeças incríveis e criativas, bem como ótimos profissionais técnicos, porém acho que essa moçàda não se encontrou ainda

      • Graças a Deus, eu achei que estava ficando louco. Não curto cinema nacional, alguns filmes passam batidos, mas tudo é muito amador. Me sinto assistindo a uma novela com um final próximo. É um amadorismo sem fim. Sinto muito quem gosta muito desses filmes, mas eu recomendo muito cinema estrangeiro. Filmes franceses, ingleses e alemães. Não é por ser outra cultura, é porque os atores se entregam, vivem a cena e mandam ver. É como eu falei, aqui no Brasil alguns filmes passam batidos. Poucos são bons. Um que eu nunca mais vi parecido foi Central do Brasil, Fernanda Montenegro deu um banho, mas não levou o Oscar, porque o filme não dependia só dela, apesar dela ter levado nas costas. A vida é bela, (que ganhou o Oscar, concorrendo com Central do Brasil), tinha mais entrega. Mas é só a minha opinião. Quem tiver uma diferente que a exponha. Cinema nacional, HOJE, é algo muito zzzZZZzzzZZz (Entendedores entenderão).

  2. Colocaria facilmente “Abril Despedaçado” e “O Beijo da Mulher Aranha” (bem como o já mencionados no topo “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, “2 Coelhos”). Não sei como não estão aí.

    E super riscaria “Elena” dessa lista.

  3. Acho, que seria muito bacana retratar os filmes que falam da ditadura, que são pouco conhecidos como Batismo de Sangue (2007) com o ator Caio Blat, Pra frente Brasil (1982) Roberto Farias

  4. Lista de bons filmes brasileiros sem Abril despedaçado, Pixote e Central do Brasil?????? Fala sério!

  5. A Febre do Rato, anarquista e poético.
    Eu ouviria as piores notícias dos seus lindos lábios, intenso e poético;

    • Sim, Cinema, Aspirinas e Urubus não pode faltar. A cena de troca de olhares e sedução entre os três personagens é inesquecível!
      Gosto muito também de O homem que copiava, que está na lista.

    • Para mim, faltou “A história da Eternidade”, “Abril despedaçado” e “O som ao Redor”. São os que lembro agora, mas, claro, deve ter muitos outros. Nenhuma lista é exaustiva. “Saneamento Básico” e “Cinema, Aspirina e Urubus”, também não podem estar ausentes.

  6. Dois perdidos numa noite suja
    A busca
    O caminho das nuvens
    Lisbela e o prisioneiro (o mais perfeito de todos!)

    • Certeza que “Abril Despedaçado” deveria estar nesta lista! Também gosto muito de “Cidade Baixa”, “A Máquina”, “Eles não usam black-tie”, “Que horas ela volta?”, “Cinema, aspirinas e urubus”… Tem muita coisa boa!

  7. Tempos de Paz de Daniel Filho retrata a Era Vargas e é maravilhoso porque se passa praticamente em um único cenário e somente com as falas de Tony Ramos e Dan Stubalch. É muito bom!

  8. Achei estranho esse gap de 33 anos.

    E ficou faltando cabra marcado para morrer. Não só pelo filme em si, mas toda a sua história e contexto.

  9. Essa lista é, do Sganzerla pra frente, absurdamente arbitrária. “Nina”, mas não Serras da Desordem”? Lista esquisita.

  10. Não assisti a todos esses ainda mas o Cheiro do Ralo (Lourenço Mutarelli conheci pessoalmente em um festival na Bélgica) e Amarelo Manga são 2 dos melhores filmes que já assisti ! Valem a pena !!!

  11. Deverião incluir nesta lista os filmes:
    Gonzaga de pai para filho.
    Olga
    Lisbela e o prisioneiro.
    Saneamento Básico.
    Anjos do Sol
    Paraísos artificiais
    Anita e Garibaldi
    Dois perdidos numa noite suja.

  12. Não encontrei Eles Não Usam Black-tie.
    – E se ninguém tivesse assistido Central do Brasil, o filme entrava na lista? Ou é proibido fazer sucesso? O mesmo vale para Cidade de Deus. Eu incluiria ainda Eu Te Amo, do agora abobalhado Jabor. E ainda Ópera do Malandro. Tem muito mais. Sei que listas são complicadas, mas quem se atreve a fazê-las, sempre estará sujeito aos apontamentos. Fiquei com vontade de escrever a lista dos 22 filmes esquecidos nesta relação. Em tempo: faltou também Sociedade Anônima, com Walmor e Eva Wilma, dos anos 60.

  13. Essa lista deveria ser maior, pelo menos uns 40 filmes. Faltam, além dos citados nos comentários, Dona Flor e Seus Dois Maridos; Deus é Brasileiro; Bodas de Papel.

  14. Listar é sempre difícil, mas incluiria nessa seleção de imediato: Vidas secas, Rio 40 graus, São Paulo S.A, Terra estrangeira, Viajo porque preciso volto porque te amo, Cão sem dono, O Céu de Suelly e O invasor.

  15. Lista excelente. Eu acrescentaria dois filmes que reputo dignos de constar de qualquer lista de bons filmes brasileiros: “Marvada Carne” de André Klotzel e ‘Memórias do Cárcere” de Nelson Pereira dos Santos.

  16. Não deixaria de fora “Pixote”. E cadê o maravilhoso “O Que É Isso Companheiro?” também senti falta do “O Homem do Futuro” em que vejo que elevou o cinema nacional a um novo patamar na ficção cientifica.

  17. Faltou O Som ao Redor, Paraísos Artificiais, O Ano em que meus pais saíram de férias.
    Linha de passe é um dos melhores filmes da vida.

  18. “O pagador de promessas, Baixio das bestas, Cinema aspirinas e urubus, Febre do rato e por aí vai…”

  19. Adorei a lista! Alguns ainda não assisti e vou tratar de ver o quanto antes. Mas o importante é que de 22 filmes fomos premiados com mais de 40 títulos através dos posts! Preparem a pipoca e vamos para a poltrona.

  20. Carandiru é incrível e deveria estar nessa lista, além dos consagrados: Central do Brasil, Tropa de Elite. Os de comédia também são ótimos, como Minha mãe é uma peça; De pernas pro ar. Vixi tem vários e vários filmes ótimos 😀

  21. “Não por acaso”, “O maior amor do mundo” e “Chega de saudade” não apareceram nem nos comentários???? Espero que entrem em listas próximas…

  22. Lista excelente! Dramas muito bons! Agora um dos melhores filmes que retratam as loucuras de uma família é A Partilha. Morro de rir toda vez que assito e elenco mais do que esplêndido!

    • Concordo Raphael- Acho Olga o melhor filme brasileiro.
      Para mim faltou também o filme Colegas e Deus é Brasileiro, acho muito bom. Além de muitos outros já citados

  23. Bay Bay Brasil do Cacá Diegues! Excelente atuação de José Wilker no papel de Lorde Cigano, a então sexy symbol Betty Faria e o ainda juvenil Fabio Jr.

  24. Começou muito bem: 1 – Limite, 2 – Os Cafajestes, 3 – O Assalto ao Trem Pagador, 4 – Noite Vazia, 5 – Terra em Transe, 6 – O Bandido da Luz Vermelha, 8 – Lavoura Arcaica, 15 – Linha de Passe, esses na minha opinião são essenciais, mas faltaram muitos ainda, como:
    Bang Bang; Serras da desordem; O Pagador de Promessas (1962); Filme Demência; Todas as Mulheres do Mundo; Cabra Marcado Para Morrer; Edifício Master; Jogo de Cena; As Canções; O Menino e o Mundo; Deus e o Diabo na Terra do Sol; O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro; Pixote: A Lei do Mais Fraco; Ganga Bruta; O Padre e a Moça; Ônibus 174; Matou a Família e Foi ao Cinema (1969); O Som ao Redor; A Falecida; São Bernardo; Eles Não Usam Black-Tie; São Paulo S. A.; O Caso dos Irmãos Naves; Nós Que Aqui Estamos por Vós Esperamos; Rio 40 Graus; Vidas Secas; A Margem; A Hora e a Vez de Augusto Matraga (1965); A Mulher de Todos; Sem Essa, Aranha; O Signo do Caos; Os Fuzis; Cronicamente Inviável.

  25. Faltou nosso único filme premiado com a Palma de Ouro em Cannes e primeiro a ser indicado ao Oscar (filme estrangeiro): “O Pagadir de Promessas”.

    • Tapete vermelho, Casa de areia, Céu de Sueli, Assim nascem os anjos, Alto da compadecida. Abril despedaçado. Batismo de sangue. Carandiru, 2 coelhos, e outros, merecem entrar em qualquer lista.

      • O Cheiro do ralo, Saneamento básico, Pixote, Toda nudez será castigada. Deus e o diabo na terra do sol. Olga,

  26. ORFEU!!! Pelo amor… Não esqueçam de Orfeu!

    Gêmeas, baseado no vestido de noiva de Nelson Rodrigues!!!

    Clássicos que não poderiam ficar de fora dessa lista!

  27. Tomei um susto por achar que ninguém citaria o Bye bye Brasil…é muito bom! Saudades Wilker…o contador de histórias também é muito bom. Também me apaixonei pelo Boa Sorte (nunca pensei q Debora Secco pudesse mandar tão bem), A dona da História (Só Marieta Severo já valeria a pena, ela e a Debora Falabella juntas…arrasaram!) e tem um filme do Murilo Rosa q acho w chama a Orquestra dos Meninos, lindíssimo!

  28. Lendo os comentários vi que foram citados alguns que acrescentaria. O bom foi a euforia que fui sentindo ao perceber que já vi muitos e como é bom nosso cinema.
    Eles voltam vale a pena ver. E todos os filmes de Silvio Tendler também.
    Memórias do Cárcere é impressionante, vejam!

  29. Estou maravilhada duas vezes. Pela quantidade de filmes indicados na losa e fora dela, dos quais assisti alguns e também pela quantidade de brasileiros que valorizam esse post sobre filme nacional enriquecendo a lista e os temas para o nosso deleite. vou me esforçar prá assistir mais a filmes nacionais. Foi um ponta-pé e tanto. Obrigada…

  30. Não sei pq a crítica aclama Nome Próprio. Sério, vi o filme umas três vezes já e não consigo entender. A atuação de Leandra Leal é realmente fenomenal, mas acho o roteiro fraco e construído sem nexo entre os eventos. O final poderia ter sido melhor desenvolvido, é muito decepcionante.

  31. tem vários fracos nessa lista, a festa da menina morta. linha de passe. filmes meia boca típicos do cinema nacional.

  32. São todos excelentes sim. Acho que caberia outros muitos incluindo os documentários.
    Um em especial “DIAS DE NIETZSCHE EM TURIM”.

  33. Ah, senti falta de “Dona flor e seus dois maridos”, “Bye, Bye Brasil”, “Xica da Silva” e “Independência ou morte”, “Chuvas de Verão”, “O pagador de promessas” e “São Bernardo”, mas a lista está excelente.

  34. Acho que pederiam incluir pelo menos mais tres filmes: Macunaima, Central do Brasil e o melhor filme nacional que ja assisti Baile Perfumado. Este ultimo conta a saga de Lampião e no final algumas imagens raras dos cangaceiros.

  35. Muitíssimo obrigado pela dica de filme nacionais. Eu já havia assistido a maioria porque sou apaixonada por cinema nacional. Mas alguns mais antigos foi uma grata surpresa.

  36. Olá. ..uma lista legal que mobiliza e traz novas referências. Alguém tem que começar! Parabéns, obrigada. Mas eu incluiria , reforçaria melhor dizendo, Narradores de Javé e do cineasta Joel Zito Araújo, Filhas do Vento.

  37. Incluo ‘Toda nudez será castigada’ em qualquer lista de ótimos filmes que já vi. E ‘O pagador de promessas’ também.

  38. Listas são sempre uma provocação. As ausências de “A hora da estrela” e “O som ao redor” só podem ser explicadas como uma incitação daquele propósito.

  39. Eu ressalto “A Febre do Rato” (2011) de Claudio Assis e “O som ao Redor” (2012) de Kleber Mendonça.

  40. Na verdade, não têm como mencionar todos os filmes, porque a lista de filmes nacionais bons é vasta, mas valeu a ideia, porque surgiram nomes de outros filmes, que as vezes não lembramos, e deixamos de tentar assistir por não lembrar! 🙂
    Poderia adicionar à lista, “Bar Esperança” e “Meu pé de laranja lima, primeira versão”.

  41. Faltou “O Som ao Redor”, filme pernambucano que foi muito bem avaliado pelos críticos de cinema no mundo inteiro.

  42. Faltou “jogo subterrâneo”, “dom”, “o assalto ao banco central”, “alemão”, “o palhaço”, “receberia as piores notícias dos teus lábios”, “olga”, “cazuza”, “tim”, “faroeste caboclo”, “entre nós”… enfim, faltou um montão, né? Cinema nacional tá maravilhoso

  43. Essa lista poderia ter uns 50 filmes. Poderiam incluir “Pixote”, “A Rainha Diaba”, “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Gonzaga – De Pai pra Filho”, “O Homem do Ano”.

  44. Pingback: 22 Filmes para ver e nunca mais falar que cinema nacional não presta - Bem Blogado

  45. O meu filme preferido, e ‘acho’ bem desconhecido pelo público, é Romance. Com Wagner Moura e Letícia Sabatella. Super recomendo a entrar para a lista!

  46. Boa lista, mas deveria citar algo do Beto Brant (O Invasor, Crime Delicado, Eu Receberia as Piores Notícias de seus Lindos Lábios) e Eduardo Coutinho (Cabra Marcado para Morrer, Edifício Master, Jogo de Cena). Todas as Mulheres do Mundo, do Domingos Oliveira, também é marcante. E ainda O Som ao Redor, Vidas Secas, A Hora da Estrela, Eles Não Usam Blacktie, Macunaíma, Casa de Areia, Boleiros, O Pagador de Promessas, Central do Brasil, Ilha das Flores, Cidade de Deus, etc.

  47. Só eu gostei de Faroeste Caboclo?
    Também gosto de uma chamado ” as meninas” e “Lisbela e o prisioneiro é clássico”. “Caminho das nuvens” também é bem interessante..

  48. Pingback: 22 Filmes brasileiros que você precisa conhecer

  49. Como se faz uma lista com os melhores filmes brasileiros e se deixa de lado “O pagador de promessas”?Esse filme é maravilhoso.Melhor que muitos dessa lista.

  50. Outros filmes nacionais muito bons: Quanto vale ou é por quilo; Cinema, aspirinas e urubus; O ano em que meus pais saíram de férias; Hoje eu quero voltar sozinho …

  51. Pingback: Os melhores links dos últimos dias |

  52. Já gostei mais de filmes brasileiros…. depois da entrada da Globo Filmes na parada piorou muito. é uma merda atrás da outra…. tudo dentro da tino comercial da emissora que busca lucro em qualquer coisa. novelões na telona. lixo e sempre com os mesmo atores do momento…

  53. Quincas Berrro d’Água, de Sérgio Machado; Febre do Rato, de Claudio Assis; Baile Perfumado e Marvada Carne

  54. No inicio da matéria ele citou os mais lembrados. Depois, ele detalhou os outros. Por favor, leiam a matéria toda pra não ficar repetindo os mesmos Nomes de filmes

  55. Acho um pecado o Abril Despedaçado não estar nesta lista, e outro que não sei se é considerado nacional é: Brincando nos Campos do senhor de Hector Babemco

  56. Concordo com todos, mas faltaram vários excelentes filmes brasileiros, como Memórias do Cárcere; Febre do Rato; O ano em que meus pais saíram de férias; A deriva; O som ao redor; Abril Despedaçado; Viajo porque preciso, volto porque te amo; Quase dois irmãos; Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios; Maré, nossa história de amor; Saneamento básico; O palhaço; Tapete Vermelho; Era uma vez eu, Verônica, entre outros.

  57. Coitada da pessoa que faz uma lista dessas, pois ela acha que sabe o que é arte. Vamos ler, pessoal…

  58. Vamos ser sensatos né? Filmes brasileiros que prestavam eram só os antigos, que eram bons pra época…Esses filmes brasileiros da década de 90 pra cá são muito amadores… Todo filme brasileiro parece novela da globo… Enrola enrola … E o fim é sempre uma porcaria… Até pra contar uma história real não prestam, exemplo Assalto ao Banco Central (que não foi um assalto e sim um furto) Só de ver os nomes dos filmes brasileiros já desanima de assistir .. Sem contar que quase todos os filmes fica um cara narrando a história por trás o filme inteiro, isso é muito chato!!! Só pra constar não sou esses babacas que ficam falando mal do Brasil na internet, eu amo meu país, mais se tratando de cinema estamos muito mal!

    • concordo que a narrativa por trás o filme é muuuuuito chato, a exemplo disso tropa de elite 2…poderia muito bem ter a história sem tanta narrativa… poderia ter sido cortado um pouco… mas temos trabalhos muito bons, sim. Claro que não podemos comparar com os hoolywoodianos, pois o nível de investimento para uma superprodução é muito maior… se a lista fosse minha incluiria lisbela e o prisioneiro, Orfeu, O palhaço, o menino da porteira, olga, se eu fosse você, tainá (infantil), chico xavier…

  59. Li todos os filmes citados, meus preferidos A Deriva, Cinema Aspirinas Urubus, Quase dois irmãos, entre outros

    Mas ninguém citou dois filmes LINDÍSSIMOS, que super recomendo: Benjamim e Antes que o mundo acabe. São belíssimos.

  60. Gosto muito do Tropa de Elite 2- considero o Wagner Moura um dos nossos melhores atores brasileiros.
    Dele tbm gosto de A busca, a história é muito bem contada e o filme é lindo.

  61. minha lista
    1.cabra cega
    2.0 palhaço
    3. cazuza
    4.0 que é isso companheiro
    5.Era uma vez
    6. Malu de bicicleta
    7.Meu tio matou um cara
    8.O auto da compadecida
    9. Tropa de elite 1 e 2
    10. o homem do futuro

  62. Quando os filmes nacionais forem feitos para agradar o expectador a opinião dos telespectadores vai muda!!! Deixem ideologias de lado e se preocupem um mais com a arte. By telespectador.

  63. “Cinema, aspirinas e urubus.”, “O palhaço”… são tantos filmes bons que não caberiam em um só post!

  64. Não deixem de assistir!!

    A HISTÓRIA DA ETERNIDADE – Camilo Cavalcante
    (Uma das coisas mais bonitas que eu já vi no cinema)

    OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE – Esmir Filho
    (Estranho, poético, lindo, melancólico e muitíssimo bem realizado)

  65. Até hoje, muitos ñ vão ao cinema para assistir um filme brasileiro. Dizem uma besteia pois gastam para ver a um fime estrangeiro de baixa qualidade
    Gostaria de saber por que nunca incluem o ” Pagador de Promessas” nestas linhad.

  66. Besouro
    Central do Brasil
    Auto da Compadecida
    A busca
    Cidade de Deus
    Casa de areia
    Serra pelada
    Tropa de elite 1 e 2
    Olga
    O bem amado
    Entre nós
    Assalto ao banco central
    Trash
    O homem que desafiou o diabo
    Alemão
    Faroeste caboclo
    Lisbela e o prisioneiro
    Tempos de Paz

  67. O problema nem é as histórias dos filmes, e sim, que quase sempre são os atores da globo, eles nunca apresentam novos atores.

  68. Hans Staden: Filme nacional raro que se baseia no relato real do europeu Hans Staden que foi raptado pelos tupinambás no inicio da colonização Brasileira. O filme é todo em tupi.

  69. Outros excelentes trabalhos nacionais:

    1- Desmundo: Brasil de 1570, para tentar impedir a geração de filhos entre brancos e índias, Portugal envia mulheres orfãs para se casarem com os brancos e assim geraram filhos brancos no Brasil (o que não deu muito certo porque pouquíssimas brancas vieram pra cá). O filme usa a língua portuguesa da época colonial.
    2- Quanto vale ou é por quilo?: Faz um diálogo entre o período de escravidão nacional com as formas de exploração atual;
    3- Carlota Joaquina, A Princesa do Brasil: Comédia sobre a vinda da família real ao Brasil em 1808;
    4- Canudos: Filme baseado na obra de Euclides da Cunha;
    5- Sonhos Roubados: Filme que trabalha com o determinismo nas periferias (semelhante a Carandiru e Tropa de Elite);

  70. Trailer filme Desmundo
    Baseado no romance de Ana Miranda, o filme “Desmundo” o retrata a sociedade da época, por volta de Brasil de 1570 – Época da colonização e desbravamento.Neste momento histórico os negros eram “coisas” , os índios eram “sub-humanos” selvagens a serem “domesticados”; e as mulheres, eram apenas objetos com a finalidade de servir ao seu marido, em todos os sentidos.

  71. O Aleijadinho: Paixão, Glória e Suplício
    Excelentes imagens de Ouro Preto e ótima biografia do mestre Aleijadinho no tempo da Conjuração Mineira!

  72. Beatriz
    Meus preferidos
    Cinema, aspirinas e Urubus, perfeito
    Terra Estrangeira , lindo demais
    Lavoura Arcaica , soberbo
    Não por acaso , simples , profundo , roteiro magnífico , adoro
    Caramuru, genial
    Amarelo manga , visceral
    Estômago ,imperdível

  73. São Bernardo, primoroso
    O Quatrilho apesar de comercial tem seu valor
    são muitos e agente vai lembrando aos poucos

  74. Não podemos esquecer de Deus é Brasileiro. O melhor personagem do Vagner Moura. E aquela cena final na canoa é talvez a obra prima do cinema brasileiro

  75. A Febre do Rato (2012), dirigido por Cláudio Assis; é um ótimo filme nacional. Vale muito a pena assistir!

  76. O homem que virou suco
    A hora da estrela
    Som ao redor
    Amarelo manga
    Osso, amor, papagaio.
    O gato de madame
    O homem da capa preta
    Bye, bye. Brasil
    Dona flor e seus dois maridos
    Abril despedaçado
    Céu de sueli
    Cinema, aspirinas e urubus
    Narradores de Javé

  77. Faltou o filme “Romance” dirigido por Guel Arraes com Wagner Moura, Letícia Sabatella, José Wilker, Vladimir Brichta, Andréa Beltrão, Marco Nanini, Tunico Pereira e o Bruno Gracia.

  78. Galera, há um tempo assisti um filme Nacional do qual não lembro o nome! A estória do filme se dá nos anos 50 ou 60 e mostra a vida de um homem que a princípio não faz nada, não trabalha não estuda… Então ele descobre que dá pra ganhar um bom dinheiro “cafetinando” prostitutas e na sequência ele passa a traficar (maconha do Paraguai ) o personagem que também não lembro o nome (nem quem era o ator) é viciado em heroína e aparece por muitas vezes fazendo o uso da mesma dentro de um carro. O nome do filme se assemelha com o “ORFEU” Mas não é o Orfeu. se alguém souber qual o nome desse filme me responda, por favor. valeu, abraço a todos.

  79. Esta lista de “melhores” só reforça o argumento de que o Cinema não é o forte dos brasileiros (pelo menos até o momento). Alguns dos filmes citados tem virtudes, mas nenhum deles é excepcional no seu todo. Não falta pretensão, mas nosso cinema é obviamente amadorístico e precário, ao ponto das antigas e modestas chanchadas ainda serem os nossos filmes mais agradáveis de serem assistidos. Gostaria que fosse diferente, mas não vou me alienar ao ponto de ignorar a realidade. É uma pena que nosso cinema não esteja a altura de nossos muitos grandes atores. Tem gente profissional e competente no meio, mas são uma minoria que se torna insignificante dentro de um quadro geral dominado mais até pela incompetência do que pela mediocridade, pois para ser medíocre é preciso se ter um certo nível de competência.

  80. É curioso notar que um filme como Bicho de sete cabeças não é exaltado pelos críticos. Um filme como esse, que particularmente chocou e me deixou com uma outra percepção da vida, deveria ser aclamado. Parece que foi deixado ao esquecimento, totalmente à margem do cinema nacional. Qualidade na simplicidade. Indignação resume!

  81. Essa lista é absurda para o propósito da matéria. Cláudio Assis, Petra Costa e Glauber Rocha para iniciação cinematográfica e para agradar massas que falam mal do cinema é no mínimo insanidade. São filmes densos e de difícil digestão. E não ter Oscarito, Mazzaroppi e Trapalhões nessa lista é tão insano quanto. Alguns são muito felizes, como “Estômago” e “O Lobo Atrás da Porta”, que realmente agradam quase todos os tipos de público. Porém “Elena”, por exemplo, é um filme que desagradou muita gente, pela estética puxada e melancólica (eu gostei muito), e digo o mesmo de “Amarelo Manga”, que tem uma edição sofrida e que traz desconforto ao expectador. O roteiro de Hilton Lacerda é estupendo, mas a direção não é das melhores, mesmo sendo um Cláudio Assis. Achei puxado pra caramba.

  82. Um filme maravilhoso tbm e o VINTE Q conta a historia da seca de 1920 baseado no bet saller de Rachel de Queirós!!!

  83. Eu acho que existem filmes nacionais maravilhosos de ação, drama, suspense, policial e comédia romântica, porém, deixa muito a desejar quando se trata de filmes de terror e ficção científica/fantasia. Podiam investir mais nessas áreas para formar profissionais melhores.

  84. – Central do Brasil
    – Hoje eu quero voltar sozinho
    – O pagador de promessas
    – O céu de Sueli
    – Pixote, a lei domais fraco
    – O rei da noite
    – Dona Flor e seus dois maridos
    – Eu, tu, eles
    – Que horas ela volta?
    – O Quatrilho
    – O beijo da mulher aranha
    – Carlota Joaquina
    – Copacabana
    – A ostra e o vento
    – Cafundó
    – Deu pra ti anos 70
    – Bye bye Brasil

    E por aí vai, com certeza, alguém vai lembrar de mais algum.

    • Até que enfim foi citado O Quatrilho, muito bom. Não me emocionaram Bye bye Brasil (só a música final do Chico de quando ele fazia boa música), Dona Flor eu quase saí no meio, São Bernardo, chato, dos que foram citados. Mas em geral gosto do nosso cinema.

  85. A lista é boa, mas eu viajei mesmo nos comentários da galera… passou um filme nos filmes da minha vida, faltaram alguns que deveriam contar na lista… Está de parabéns quem lembrou ai “Tapete Vermelho”, “O Pagador de Promessas” Central do Brasil” ” Eles Não Usam Black Tye” “Pixote” “Carandirú” sem contar com o histórico “Canudos” e o mais que inusitado “Auto da Compadecida”. Bem é prova que nós temos arte de sobra para todos os públicos e diretores à altura das nossas tradições e cultura…. Memorável!!

  86. Pingback: O medo das hierarquizações | Sérgio Alpendre, crítico de cinema e professor

  87. Filmes nacionais não são ruins. Mas tem apenas uma classificação, devido a apelação sexual, do vocabulário xulo, apologia à drogas, violência e à malandragem. Uma pena pois isso reduz muito a bilheteria. Outro grave problema é que não existem realmente produtoras de filmes, tudo depende das leis de incentivo e fomento do governo. Ou seja, no processado captação de recursos a verba para os filmes são “mendigados” e sujeitos a aprovação de empresas que só estão interessadas no abatimento do imposto de renda e não entendem nada de cinema.

  88. Chateada por ninguém citar A Casa de Alice. Cinema de arte que toca na alma mesmo. Pôxa! Será que ninguém, viu? Pior que quase ninguém viu mesmo…

    • Vi e achei tão real e angustiante. É a vida de muitas famílias. Filme bom é aquele que quando alguém cita, a gente lembra de tudo. E este foi um.

  89. Lista muito boa.
    Recomendo “Alguém Qualquer” do Tristan Aronovich que mesmo com esse nome é brasileiro. Vi na TV a cabo. Impressiona pela qualidade do protagonista.

  90. Faltou o excelente ‘Califórnia’ da Marina Person e o maravilhoso ‘Central do Brasil’. Também gostei muito de ‘Dias Melhores Virão’ e ‘O que é isso companheiro?’.

  91. Pingback: 22 Filmes para ver e nunca mais falar que cinema nacional não presta. | studio de yoga eduardo padula

  92. FALTOU – BATISMO DE SANGUE –
    – Central do Brasil
    – Hoje eu quero voltar sozinho
    – O pagador de promessas
    – O céu de Sueli
    – Pixote, a lei domais fraco
    – O rei da noite
    – Dona Flor e seus dois maridos
    – Eu, tu, eles
    – Que horas ela volta?
    – O Quatrilho
    – O beijo da mulher aranha
    – Carlota Joaquina
    – Copacabana
    – A ostra e o vento
    – Cafundó
    – Deu pra ti anos 70
    – Bye bye Brasil

    E por aí vai, com certeza, alguém vai lembrar de mais algum.
    A lista é grande !!!!

  93. O cinema nacional é ótimo, de primeiríssima qualidade. A lista é muito boa e quantos outros filmes bons foram acrescentados nas novas opiniões. Pra acrescentar a lista, eu cito: Ação Entre Amigos e Pra Frente Brasil. Mas essa lista vai longe.

  94. Ha filmes com importantes temáticas históricas; “Quando meus pais saíram de férias” (Ditadura), “Quanto vale, ou é por quilo?” (Escravidão/Império), “Desmundo” (Brasil-Colonia), “O Contador de História” (infância pobre)

  95. Faltou o filme do Lula e o filme do Pelé (será que falta muito ainda pra sair o do Jean Willys e da Dilma??)

  96. “Pro dia nascer feliz”, do João Jardim, “Quanto vale ou é por quilo?” e “Crônicamente Inviável.”, do Sérgio Bianchi são filmes muito bons.

  97. Gostei muito de Capitães de Areia. Cidade Baixa e Dom !!! Lembro tb de um que nunca assisti, mas é bem comentado que é o Pixote, a lei do mais fraco !!! Outros que vão um pouco mais pro lado da comédia, mas também tem detalhes interessantes como Divã e O homem que desafiou o Diabo, Lisbela e o prisioneiro eu tb gostei muito !!! Sem contar as biografias, como Tim Maia, Cazuza, 2 filhos de Francisco, etc… o cinema Nacional é um prato cheio e não deve nada a ninguém !!!

  98. Pingback: movie.br ___ | falandonalata1

  99. Apesar de tudo, faltaram ~O Pagador de Promessas~, ~O Quatrilho~, ~A hora da estrela~, ~O palhaço”, “Flores Raras”, “Que hora ela volta?”, “Pixote”, “Toda nudez será castigada”, “Vestido de Noiva”, “O cangaceiro”, “Lúcio Flávio” , “Dona Flor e seus dois maridos”, “Tropa de Elite 1 e 2”, “A estrela sobe”, “Macunaima”, “Os pastores da noite”, “Carnaval Atlântida” entre tantos outros que permitiriam um verdadeiro festival em um cinema ou na televisão. O brasileiro precisa perder a vergonha daquilo que aqui é produzido culturalmente nestas terras. Não somos Estados Unidos,Japão ou Europa, mas sabemos que a cultura brasileira existe, graças a Deus.

  100. Se eu apresentar para aquele amigo que diz que cinema nacional não presta uma liste filmes começando com “Limite”, aí mesmo que ele iria falar…..Isso não é uma crítica a lista que esta muito completa, somente este clássico dos sem pés nem cabeça que esta, na minha opinião numa lista errada…

  101. Lixo Extraordinário, documentário, fala de pessoas, de sensibilidade. Um dos melhores filmes que já assisti .

  102. Do 1º ao 6º ia até bem, mas de repente a coisa deu uma virada do 7º ao último que ai eu ainda continuo achando que o cinema brasileiro é uma porcaria não incluindo os filmes que foram feitos na década de 60 para trás. Abraços. ADEMIR FACCION

  103. São Paulo SA, Todas as mulheres do mundo, A hora e a vez de Augusto Matraga, Assalto ao trem Pagador, Rio Zona Norte, Rio 40 graus, Os fuzis, O Pagador de Promessas, Os Inconfidentes, Deuis e o Diabo na terra do sol, Chuvas de verão,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s