Dois filmes com a marca do Itaú Cultural entram em cartaz

no mesmo dia: A Paixão de JL Ela Volta na Quinta

 

O primeiro, dirigido por Carlos Nader e realizado pelo instituto, em parceria com a produtora

Já Filmes, relata os sentimentos e as lembranças vividos pelo próprio artista visual a partir

de um único registro, o de fitas cassetes gravadas por ele entre 1990 e 1993 e entra em cartaz em circuito nacional; o segundo, de André Novais Oliveira,
foi selecionado no programa Rumos e estreia em São Paulo e no Rio de Janeiro; ambos no Espaço Itaú de Cinema

 unnamed.jpg

 

 

O filme A Paixão de JL tem pré-estreia aberta ao público em 24 de fevereiro, às 20h30, no Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca, em São Paulo, com entrada gratuita. No dia seguinte, o filme entra em cartaz com estreia simultânea nas demais salas da rede na cidade e nas capitais do Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Bahia – em todas com entrada franca. No mesmo 25 de fevereiro, o longa-metragem Ela Volta na Quinta, contemplado no programa Rumos 2013-2014 para o processo de finalização, também estreia nesta rede em São Paulo e no Rio de janeiro e, posteriormente, de outras capitais do país – nestas, os ingressos serão comercializados devido a um acordo estabelecido entre a distribuidora e a administração do espaço.

 

A Paixão de JL

Com narração do próprio Leonilson (1957-1993), direção de Carlos Nader e realização do Itaú Cultural, o longa-metragem relata os três últimos anos de vida do artista.  Antes de entrar no circuito de cinemas, o filme percorreu e conquistou premiações em festivais no Brasil e no exterior. Entre eles, o prêmio de melhor crítica e de melhor documentário brasileiro no É Tudo Verdade de 2015 e no Mix​ ​Brasil de Cultura da Diversidade, o reconhecimento de melhor longa-metragem pelo júri popular no Festival Mostras CURTA-SE (Festival Ibero-Americano de Cinema de Sergipe), igualmente no ano passado, e o prêmio especial pelo júri no 37º Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de Havana. A pré-estreia nacional do filme aconteceu no final de janeiro, em sessão especial na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, como uma homenagem ao artista. “A EAV foi um lugar central na carreira de Leonilson. Foi onde ele cresceu e se projetou”, conta Nader.

 

Em uma hora e meia, o depoimento de Leonilson é alinhado a imagens, músicas e algumas das suas principais obras, formando uma poética audiovisual sobre as impressões do que o artista viu e sentiu em seus últimos três anos de vida. A ideia que culminou na realização do longa-metragem surgiu em 2011, quando o Itaú Cultural fez a mostra Sob o Peso dos Meus Amores retrospectiva da obra de Leonilson. Carlos Nader foi convidado a dirigir um curta sobre a exposição cujo resultado levou, naturalmente, à produção deste longa-metragem.

maxresdefault.jpg

Pintor, desenhista e escultor brasileiro José Leonilson Bezerra Dias, nasceu em Fortaleza, e morreu em São Paulo, vítima da Aids. Em janeiro de 1990, quando tinha 33 anos – três antes de morrer –, ele começou a confeccionar um diário íntimo gravado em fitas cassete. Nader, seu amigo pessoal, conseguiu acesso ao material guardado pela família. “Alternando reflexões sobre sua intimidade e sobre o espírito de sua época, ele deixou um registro precioso em que um indivíduo especialmente sensível se relaciona com as grandes mudanças de seu tempo”, diz o diretor.

A partir do diário de Leonilson, ele optou por um caminho arriscado que, no entanto, resultou em uma produção no qual o espectador embarca em uma história pessoal de paixão, dúvidas e questionamentos, arte e criação, alinhavada por imagens de arquivo sobre aquele período.  Os tempos narrados por Leonilson são acompanhados por cenas que fizeram parte do seu imaginário e dos seus comentários.

 

“Além de mostrar algumas de suas obras, o documentário entretece o diário íntimo com imagens públicas ligadas a diversos temas mencionados nas gravações”, conta Nader, premiado no É Tudo Verdade, em 2014, com o filme Homem Comum. “São assuntos tão diferentes quanto o Plano Collor, a Guerra do Iraque, filmes de Wim Wenders ou Derek Jarman, novelas da Globo, a tragédia da Aids ou o reino pop de Madonna”, completa. Vale ressaltar, ainda, a presença de trechos de programas da televisão, como Família Do-Re-Mi, o noticiário do Jornal Nacional, em 1990 e 1992, a série Mico Preto e Perdidos no Espaço.

 

Nas gravações, Leonilson fala de seus trabalhos, de tristezas e alegrias, amores e desamores, medos, família e da homossexualidade. Um dia se descobre soropositivo, tema principal da última fase da sua vida.

 

Ela Volta na Quinta

O longa-metragem dirigido por André Novais Oliveira conta a história do casal Maria José e Norberto, juntos há 35 anos, em Contagem, cidade mineira da região metropolitana de Belo Horizonte. Desgastados pelo tempo, por brigas e relações extraconjugais, eles vivem aqueles que parecem ser os momentos derradeiros dos dois enquanto casal. Na busca de uma resposta se o divórcio é mesmo a melhor solução, Maria José resolve viajar para visitar o Santuário de Nossa Senhora Aparecida do Norte, mesmo enfrentando problemas de saúde.

hqdefault.jpg

“Este filme é uma síntese de uma dessas famílias, que moram na periferia de Contagem”, explica o diretor. “Ele surgiu de uma necessidade bastante urgente que eu tinha – e tenho – de retratar a classe média-baixa e a periferia de uma grande cidade, com a atenção e o respeito devidos”.
Realizado em 2014, com produção da Filmes de Plástico, Ela Volta na Quinta recebeu o apoio do programa Rumos 2013-2014 para o processo de finalização e traz algumas curiosidades: é a estreia de Oliveira como diretor solo de um longa-metragem e tem seus próprios pais nos papeis protagonistas do casal, Norberto Francisco Oliveira e Maria José Novais, além dele e de seu irmão, Renato Novais, como os próprios filhos da trama.

unnamed-1.jpg

“O filme é uma ficção, a história é fictícia, mas tem elementos da minha família”, conta o diretor.  “Decidi me inserir por sentir que precisava desse retrato completo de uma família”, completa. Oliveira já havia dirigido o longa coletivo Estado de Sítio (2011), com outros sete amigos, mas sua principal incursão é em curta-metragens, como Pouco Mais de Um Mês (2013), que mereceu menção honrosa no Festival de Cannes de 2014, além de Quintal (2015), Fantasmas (2010), Uma Homenagem a Aluízio Netto (2004), A Mulher que Sabia Demais (2005), Um Dia Meio Parado (2006), 150 Miligramas (2009) e Domingo (2011).

 

Ela Volta na Quinta entra em cartaz no Espaço Itaú de Cinema de São Paulo (Frei Caneca, Bourbon Pompeia e Augusta) e do Rio de Janeiro (Flamengo), e posteriormente no circuito de outras capitais do país, já com boa repercussão e reconhecimento em festivais no Brasil e no exterior, como os prêmios de Melhor Ator e Atriz Coadjuvante no 46º Festival de Brasília, título de Melhor Filme Brasileiro no 4º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e merecido seleção Oficial dos festivais FID Marseille, na França, e Festival de Rotterdam.

 

 

O Itaú Cultural e o audiovisual

Paixão de JL marca a oitava incursão do Itaú Cultural no mundo do cinema. Reafirmando o compromisso da instituição com a preservação do patrimônio cultural e artístico do país, o instituto tem investido na produção audiovisual desde o início dos anos 2000.

 

As primeiras produções do Itaú Cultural em cinema foram os cinco filmes da série ICONOCLASSICOS: EVOÉ! Retrato de um Antropófago, sobre o dramaturgo Zé Celso, dirigido por Tadeu Jungle e Elaine Cesar; Mr.Sganzerla – Os Signos da Luz, sobre Rogério Sganzerla, dirigido por Joel Pizzini; Assim É, Se Lhe Parece, sobre Nelson Leirner, filmado pela diretora Carla Gallo; Ex isto, livre inspiração do diretor na obra Catatau do poeta Paulo Leminski, dirigido por de Cao Guimarães e Daquele Instante em Diante, sobre Itamar Assumpção em longa-metragem, dirigido por Rogério Velloso.

 

Antes de A Paixão de JL, o instituto produziu Ouvir o Rio: Uma Escultura Sonora de Cildo Meireles, filme dirigido por Marcela Lordy; e JARDS, de Eryk Rocha sobre Jards Macalé. Atualmente, está em fase de produção de duas séries para televisão, em parceria com o Manifesto Impromptu: crônicasNÃOditas, já finalizado com capítulos sobre a ditadura brasileira, e A Vida Começa… (título provisório), uma série de cinco episódios de 10 minutos, cada um, com a história de um habitante da cidade de São Paulo em profunda crise existencial.

 

Ela Volta na Quinta estreia nos cinemas com apoio do Rumos 2013-2014, o principal programa do Itaú Cultural para o fomento à cultura e às artes brasileiras, considerado como um dos principais de iniciativa privada atualmente no país. O instituto ofereceu suporte para os processos de finalização e distribuição, e na produção-geral contou com a produtora mineira Filmes de Plástico.

 

SERVIÇO:

A Paixão de JL

Direção: Carlos Nader

(82′, Colorido, 2015)

Classificação, 14 anos

Pré-estreia em São Paulo

Dia 24 de fevereiro, quarta-feira, às 20h30*

Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca

Shopping Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569 – 3º Piso – Cerqueira César

Sala 01 (250 lugares)

São Paulo, SP

Entrada gratuita

*coquetel após sessão

itaucinemas.com.br

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=0wXU30LD1Io

 

 

Ela Volta na Quinta

Direção: André Novais Oliveira

(108’, Colorido, 2014)

Classificação:  12 anos
Estreia em 25 de fevereiro

Salas Espaço Itaú de Cinema São Paulo (Frei Caneca, Bourbon Pompeia e Augusta) e Rio de Janeiro (Flamengo)

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=MNNioEqKpw4