Abdellatif Kechiche afirmou que o drama La Vie d’Adèle é muito pesado e não deveria ter sido lançado.
20620392
Após diversas declarações polêmicas da equipe e das protagonistas Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux, o diretor Abdellatif Kechiche resolveu quebrar o silêncio e falar sobre La Vie d’Adèle, drama vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes 2013. Em entrevista recente, ele revelou seu arrependimento: “Para mim, este filme não deveria ter saído, é muito pesado”.
O cineasta aproveitou para falar sobre a repercussão do longa, que apresenta o relacionamento amoroso e sexual entre duas mulheres. Ele destacou que as atrizes não pensaram nas consequências desastrosas dos seus comentários: “A Palma de Ouro foi um breve momento de felicidade, então eu me senti humilhado, desonrado, eu senti uma rejeição da minha pessoa, que eu vi como uma maldição”.
Sobre Léa Seydoux, que declarou sentir “ter caído em uma armadilha”, o diretor afirmou que perguntou diversas vezes se ela gostaria de parar, mas que a atriz estava determinada a interpretar o papel, mesmo durante as cenas mais pesadas. “Quando eu li o que ela disse, eu não entendi. Se ela realmente viveu o que diz, por que ir para Cannes chorar, agradecer, desfilar no tapete vermelho, passar os dias testando vestidos e jóias? Qual é o seu trabalho, atriz ou artista de gala?”, completou Kechiche.
Com distribuição da Imovision, La Vie d’Adèle ainda não tem previsão de lançamento no Brasil.
Veja abaixo o trailer de La Vie d’Adèle e uma entrevista com Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux:


Fonte: http://bit.ly/1dJuITP