Entre a comédia de mercado e o filme de autor, longa conta a história de um pai que sai à procura do filho desaparecido

Desde o início, o longa estrelado por Wagner Moura parece mesmo diferente. Uma dura discussão entre um casal recém-separado, da qual também participa o filho adolescente, dá o tom do que será o filme: um drama familiar e intimista, que conta uma história simples e focada nas relações humanas. Longe da caricatura, os personagens foram criados de forma a permitir identificação com o espectador.

wm
 Por trás de “A Busca” estão as preocupações pessoais do diretor Luciano Moura (nenhum parentesco com Wagner) e da roteirista Elena Soares, que são casados. “Quisemos falar sobre as responsabilidades e os medos de criar um filho, sobre esse entorno familiar que permeia a vida de todo mundo”, disse o cineasta, estreante em longas, durante entrevista em São Paulo.

Wagner Moura é Théo, um homem controlador que está se divorciando da mulher, Branca (Mariana Lima), e encontra cada vez mais dificuldades para se comunicar com o filho, Pedro (o estreante Brás Moreau Antunes, filho do cantor Arnaldo Antunes). Em seu aniversário de 15 anos, o garoto adota um cavalo e foge de casa. A atitude faz Théo sair em uma viagem desesperada à sua procura.

Divulgação

O diretor Luciano Moura e a atriz Mariana Lima no set de ‘A Busca’

Luísa Pécora , iG São Paulo |